Apresentar ou revisitar importantes diretores do cinema mundial. Chamar a atenção para diferentes cinematografias. Pensando assim, o Indie 2003 elaborou quatro programas retrospectivos que querem, antes de tudo, atingir o público que nunca teve a chance de assistir nas telas do cinema aos clássicos de Federico Fellini, ao impacto conceitual de Jean-Luc Godard, ou mesmo, descobrir a importância da fase mexicana na obra do diretor espanhol Luis Buñuel. Já o versátil cinema mexicano também pode ser apreciado através de dez filmes, produzidos na última década, por várias gerações de realizadores.



O diretor Jean-Luc Godard nasceu em Paris, em 1930, mas é naturalizado suíço. Nos anos 50, tornou-se crítico da revista Cahiers du Cinéma. Seu primeiro filme, “Acossado”, iniciou a revolução estética da Nouvelle Vague. Foi um dos formuladores da Politique des Auteurs. O Indie 2003 exibe 10 filmes realizados por este que é um dos últimos grandes estetas do cinema em atividade.


ACOSSADO (A Bout de Souffle) - 1959 - 80 min.
Michel Poiccard rouba um carro em Marselha e se dirige a Paris. Tem dinheiro a receber por um trabalho. No porta-luvas do carro acha um revólver. Urso de Prata no Festival de Berlim (1960).
23.08, às 16:20 h - Sala 3

UMA MULHER É UMA MULHER (Une Femme est Une Femme) - 1961 - 78 min
Ângela é uma stripper que deseja ter um filho. Seu marido não quer. Ela, então, tenta consegui-lo com um amigo do casal, que cede a seu desejo. Urso de Prata no Festival de Berlim (1961).
28.08, às 18:30 h - Sala 3

ROGOPAG - 1962 - 122 min
Reunião de quatro curtas dirigidos por Roberto Rosselini, Pier Paolo Pasolini, Ugo Gregoretti e Godard, que dirige “Il Nuevo Mondo” sobre o término de um romance com o holocausto nuclear.
24.08, às 20:40 h - Sala 3

ALPHAVILLE - 1965 - 85 min.
Versão original em francês.
O agente secreto Lemmy Caution vai para a cidade futurista de Alphaville para persuadir o professor von Braun a voltar aos planetas exteriores. Urso de Ouro no Festival de Berlim (1965).
27.08, às 16:20 h - Sala 3

O DEMÔNIO DAS ONZE HORAS (Pierrot le Fou) - 1965 - 112 min.
Ferdinand e Marianne, antigos amigos, se reencontram e passam a noite juntos. Quando amanhece, um cadáver encontrado no apartamento e uma história sinistra os obrigam a fugir.
26.08, às 18:30 h - Sala 3

A CHINESA (La Chinoise) - 1967 - 85 min
Paris, 1967. Num apartamento cinco jovens - um estudante, um ator, uma camponesa, um cientista e um pintor - experimentam o marxismo-leninismo. Prêmio Especial do Júri Veneza (1967).
26.08, às 16:20 h - Sala 3

SALVE-SE QUEM PUDER (A VIDA) - (Sauve qui peut (la vie)) - 1979 - 87 min.
A trajetória de três personagens: Denise Rimbaud, que abandona tudo para viver numa fazenda. Paul Godard, namorado de Denise. E Isabelle, uma jovem do campo que muda para a cidade.
25.08, às 16:20 h - Sala 3

CARMEM (Prénom Carmen) - 1984 - 90 min.
Carmen faz parte de uma gangue terrorista e apaixona-se pelo policial que faz a segurança de um banco que ela e seus companheiros planejam roubar.
27.08, às 18:30 h - Sala 3

JE VOUS SALUE, MARIE - 1985 - 70 min
O mais polêmico filme de Godard. Maria trabalha num posto de gasolina. José é taxista. O anjo Gabriel anuncia a Maria que ela está grávida. José, mesmo com ciúmes, aceita a criança, Jesus.
28.08, às 16:20 h - Sala 3

PARA SEMPRE MOZART (For Ever Mozart) - 1996 - 85 min.
Um diretor planeja um filme, mas tem problemas com o elenco. Vai então ajudar um primo a encenar uma peça em Sarajevo. Entre as histórias surgem reflexões sobre arte, política e cinema.
22.08, às 18:30 h - Sala 3